Relacionamento é desafio

Sabe qual é o nosso maior erro? Acreditar que relacionamentos e amores vêm prontos, que só trazem alegrias e que são lineares e previsíveis. Não! Está mais do que na hora de entendermos que relacionamento é bom, mas é puro desafio!

Relacionar-se talvez seja o maior dos desafios que enfrentamos durante a vida. E isso é maravilhoso, porque é nos relacionando que aprendemos sobre nós mesmas, sobre os outros e sobre a vida. Ninguém nasceu para ser sozinho! Seja qual for o tipo de relação (amorosa, familiar, social ou profissional), é no dia a dia que aprendemos sobre limites, crenças e diferenças. Relacionamentos, principalmente amorosos, nos permitem colocar em prática nossas habilidades e expor nossas fraquezas. Nos fazem crescer, aprender e evoluir. Não acontece assim com você? Pois pode ser que você esteja fantasiando sua relação, ou mesmo fugindo dos aprendizados. Relacionamento é desafio, mas pode ser a mais incrível de todas as aventuras.

Quando pensamos em estar com alguém e construir um relacionamento a dois, normalmente imaginamos uma série de fatores que não correspondem à realidade. Contos de fadas, filmes de Hollywood, histórias de famílias, perfis de redes sociais – tudo   colabora para que as nossas expectativas sejam imensas e que gerem um ideal quase inatingível de perfeição. Pessoas são pessoas – somos todos humanos e imperfeitos quer estejamos sozinhas ou acompanhadas. Todos temos nossos defeitos, mistérios, esquisitices, todos somos obras em constante construção. Como querer ao nosso lado alguém perfeito, se nós mesmas não somos?

Por que se relacionar é desafio?

Porque o amor e as pessoas não vêm com bula ou manual de instruções! Da mesma forma, ninguém tem como conhecer de antemão nossas vontades e desejos, e talvez, por personalidade, nem queiram satisfazer ao nosso ideal de relação. Estar com alguém tem muito mais a ver com planos em comum, visão de futuro, valores reais do que com flores, bombons e serenatas. Não que isso tudo não seja maravilhoso para quem gosta e sonha em ter um relacionamento romântico. Mas, nesse caso, a saída é encontrar alguém que já tenha esse DNA ou que esteja disposto a se encaixar nesse molde. Caso contrário, é mais fácil trazer nossas expectativas de relacionamento para um nível mais real.

O dia a dia pode trazer lindas surpresas, presentes inesperados, café na cama e uma troca incrível. Mas também perrengues, decepções, divergências e desentendimentos. O fato é que, aos poucos, um casal vai se moldando e ambos vão entendendo o que deixa o outro feliz e infeliz. Disposição para fazer com que a relação funcione é tudo! Mas achar que não encontraremos desafios e decepções é viver fora da realidade. O que também não é desculpa para simplesmente desistir de estar com alguém e optar pela solidão.

Nascemos para nos relacionar

Somos seres sociais, nascemos para viver em comunidade, para aprender uns com os outros e para nos relacionar. Acreditar que é melhor estar sozinha só porque relações de contos de fadas não existem é desistir de descobrir o melhor da vida. É claro que podemos e devemos estar sozinhas em diversas situações da vida. Períodos de solidão são maravilhosos para que a gente possa se descobrir, entender quem realmente somos e se preparar antes de entrar numa relação sabendo melhor o que esperamos do outro. Mas ficar sozinha por medo do desafio, jamais!

Se relacionar é difícil? Não, essa é uma das muitas crenças limitantes que temos em nossa sociedade. Relacionar-se é desafiante e incrível ao mesmo tempo. Relacionamentos nos trazem muitos aprendizados. O que acontece é que acreditamos que, para ser fácil, não pode ter problemas, para ser bom, não pode ter imprevistos. E é aí que as dificuldades começam. Uma das forças mais incríveis da natureza é o amor. A vontade de estar com alguém, de compartilhar momentos e de construir uma vida juntos faz com que amar seja um enorme desafio e a melhor das aventuras. Não se segure. O melhor da vida pode estar logo ali, esperando por você! Pronta? Ou vai dizer que não curte um desafio?

desafio.jpg

Ame(-se) muito! Mas fuja dos extremos!

Ter consciência do próprio valor e não abrir mão daquilo que é muito importante para você é totalmente diferente de acreditar que ninguém está à sua altura. Da mesma forma, manter uma relação para se sentir importante e necessária é um grande erro. Entenda por que os extremos são tão prejudiciais quando falamos de relacionamentos!

Saber quem somos e ter consciência do nosso próprio valor é de extrema importância para viver bem e ter bons relacionamentos. No entanto, valorizar-se não significa acreditar que somos superiores a outras pessoas e que, portanto, ninguém está a nossa altura quando o assunto é se relacionar. Quem pensa assim, normalmente prefere ficar sozinha e aí, corre um grande risco de perder a mão nas relações sociais e de se tornar uma pessoa egoísta. Claramente não há nada de errado em optar ficar só, pelo contrário, muitas vezes, ficar solteira por um tempo pode ser muito saudável. Mas que não seja porque você se acha tão boa que ninguém te merece. Entendeu?

Em outros casos, quem acredita ser superior acaba se envolvendo em relações egóicas justamente para reafirmar sua superioridade. Sabe quando pensamos: “ele não é nada sem mim?”. Pois essa é a maior mentira que podemos contar a nós mesmas. Todo mundo sobrevive fora de uma relação, com raríssimos casos em que a própria pessoa esteja em uma situação emocionalmente doente. Mas quando nos achamos superiores, criamos uma fantasia de que somos indispensáveis e determinantes para felicidade do outro – o que nos faz sentir ainda mais superiores. De que forma isso pode ser saudável? Acreditar sermos as responsáveis pelo bem-estar do outro não pode, e não deve, ser motivo para “segurar” uma relação.

A situação oposta, ou o outro extremo, é quando nossa principal razão para entrar em um relacionamento é nos sentirmos importantes e amadas.  Isso acontece quando nossa autoestima e nosso amor-próprio estão tão baixos que enxergamos os relacionamentos como uma forma de provar que temos valor. Quem aí já pensou: “não sou nada sem ele”? Exatamente como na situação oposta, esta também é uma mentira das grandes. Pensar assim demonstra que optamos por deixar nas mãos do outro a tarefa de nos fazer sentir valorizadas, amadas e felizes. E, se por algum motivo ele cumpre essa função, tornamo-nos dependentes emocionais. [Para saber mais sobre dependência emocional, clique em https://bit.ly/2NVweO8]

Nenhuma dessas posturas é saudável, pelo contrário, podem causar muita dor e confusão. Se você se identifica com um dos exemplos acima, seu comportamento e sua maneira de pensar precisam ser curados e ressignificados. Usar o amor-próprio como desculpa para não nos relacionarmos é tão ruim quanto usar um relacionamento para garantir que somos especiais. Quando escolhemos estar só ou nos relacionar pelos motivos errados, certamente há sofrimento. Portanto, repense suas escolhas e fuja dos extremos! Ame-se, valorize-se e corra atrás da sua própria felicidade. E, de preferência, construa relacionamentos com pessoas que tenham essas mesmas atitudes.

ame-se.jpg

Seu ex pode ser mais atual do que você pensa

Você costuma comparar seus novos relacionamentos e parceiros com os que já passaram? Acredite, se você tem um ex que foi bastante marcante na sua vida, ele pode estar mais presente no seu dia a dia do que você imagina.

 

Talvez sua primeira reação ao ler o título deste texto seja pensar: “Imagina, já superei meu ex, ele ficou no passado”. Mas vou explicar porque pode ser que não seja bem assim. Quem nunca passou por uma dessas situações: um relacionamento intenso e conturbado que acabou, mas continua assombrando sua vida e influenciando suas novas escolhas pelo medo de reviver a mesma situação? Ou então, um relacionamento incrível, lindo e maravilhoso que terminou e que você daria tudo para viver uma experiência parecida? Por isso eu digo: seu ex pode ser muito mais atual do que você pensa.

Quando vivemos algo muito marcante na nossa vida, tais experiências podem acabar se tornando uma baliza para tudo o que vem depois. Quando somos traídas, por exemplo, as chances de não confiarmos mais totalmente em alguém, depois desse fato, são enormes. Nossa memória emocional passa a agir sobre nossas escolhas e atitudes como forma de defesa. E isso pode fazer com que a gente se afaste de novos relacionamentos ou lide com um relacionamento novo de maneira insegura, desconfiada e até mesmo imatura, por puro medo de reviver uma situação traumática.

Por outro lado, quando vivemos um relacionamento com alguém que acreditamos ser o “amor da nossa vida” e essa relação termina, especialmente quando levamos um belo “pé na bunda”, a tendência é criarmos um mito, uma meta de relação, ou seja, queremos outro alguém “tão especial quanto”. E, assim, tomadas por essa imagem, andamos por aí pulando de relacionamento em relacionamento em busca de alguém que nos faça sentir o que aquele outro fazia. Ou, podemos permanecer sozinhas porque acreditamos que ninguém esteja à altura daquele amor incrível que vivemos um dia.

Ambas as situações fazem com que a gente viva trazendo emoções passadas para o presente, mesmo sem perceber. Ou por medo de repetir, ou por desejo de reviver o que já passou. O fantasma daquela relação forte que já terminou fica rondando nossa vida amorosa atual. Entendeu agora como seu ex pode estar mais presente do que você imagina? Nos comportamos conforme ditam as emoções que, por mais que ainda estejam muito vivas dentro de nós, não fazem parte do nosso novo momento. Na prática, o resultado desse fato é que a gente passa a comparar nossos pretendentes atuais ou novos parceiros ou com os passados, mesmo sem perceber.

A gente esquece que a pessoa que faz parte da nossa vida no momento atual nada tem a ver com a outra ou com o que a gente passou. Ninguém é igual a ninguém e cada relacionamento é único. Portanto, não devemos descontar nossas frustrações passadas no amor atual com desconfiança ou indisponibilidade, ou despejar o fardo da cobrança de quem ele deveria ser e como deveria agir para satisfazer algo de que o anterior não foi capaz.

Outra consequência de ter o ex no presente, além de sofrer e de escolher pela comparação, é de atrair situações similares à experiência anterior, simplesmente porque não nos desconectamos completamente daquela emoção. Por exemplo: o medo de ser traída novamente é tão grande que acaba justamente atraindo uma situação parecida. E o medo de ser deixada mais uma vez pelo “amor da vida” pode estar tão presente que se materializa. Talvez você esteja vivendo um trauma, talvez uma crença tenha sido gerada a partir do que você viveu no passado, mas já está mais do que na hora de se libertar!

O que fazer para deixar, de uma vez por todas, o ex no passado?

É preciso encerrar completamente o ciclo – não só racionalmente, mas emocionalmente. Viva, de fato, o luto da relação, trabalhe seus sentimentos remanescentes, apure os aprendizados que a experiência passada traz para a sua vida. Só assim você poderá se abrir de verdade para uma nova história, com uma outra pessoa.

Fechar definitivamente um ciclo nos traz experiências diferentes e libertadoras. Deixar o passado para trás, inclusive quando ele nos parece maravilhoso, é o primeiro passo para curar as nossas relações atuais. Seja qual for o seu fantasma: uma relação que só te fez sofrer ou um amor que parecia incrível, já passou. As experiências serão sempre diferentes se você se permitir vivenciá-las como únicas e especiais, à sua maneira. Você está pronta para focar no momento presente e seguir em frente com mais leveza? Libere-se de suas experiências passadas e libere seus pretendentes ou parceiros do peso dessas situações que eles não viveram.

seu ex atual.jpg

Por que estamos vivendo relacionamentos descartáveis?

Sabe aquelas fotos de casais felizes, que vemos diariamente nas redes sociais, sempre muito lindas e cheias de filtros? Então, nem a vida e nem os relacionamentos reais são assim. Não sempre, ao menos. E quem acha que vai encontrar um mar de rosas, desiste assim que percebe que relacionamento é, na verdade, uma construção.

Estamos vivendo relacionamentos descartáveis. Essa é uma constatação triste, não é mesmo? Muitas pessoas desistem diante das primeiras dificuldades, quando descobrem que se relacionar não é, nem de longe, um mar de rosas. Pelo contrário, relacionamento é uma construção diária que requer parceria, uma boa dose de paciência e de abertura para compartilhar, ceder, acolher, debater e aprender. Parece muito difícil para você? Então, é um bom momento para se perguntar: o que você espera de uma relação a dois? Se a resposta for aquela realidade das redes sociais, em que tudo é lindo e cheio de filtros, comece a se preocupar, porque tem coisa errada aí. Talvez, para você, mais importante do que viver um relacionamento real, é se gabar com um relacionamento de fachada.

Em primeiro lugar, relacionamentos e amores não vêm prontos, são construídos diariamente e não da noite para o dia. Segundo, não se conhece alguém, de fato, em uma ou duas saídas. Terceiro, não existem pessoas perfeitas. E, por fim, os relacionamentos, assim como a vida, são constantemente inconstantes. Portanto, amores e parceiros não caem do céu, não têm a ver com o acaso e, sim, com paciência e dedicação. Desejar uma relação tem quer ser sinônimo de estar disposta a mostrar as próprias fragilidades e incertezas, e de estar preparada para aceitar e acolher as do outro. Ninguém é a Mulher Maravilha ou o Super Homem o tempo todo.

Você já ouviu falar que o amor tem que ser regado? Essa analogia da natureza é realmente perfeita quando se fala de relacionamentos. Amar é plantar uma semente – se o solo for fértil, a relação germina. Então, todos os cuidados são necessários: adubo, água, carinho, diálogo, trocar de lugar quando preciso ou colocar em um vaso maior quando começa a crescer e dar frutos. Podar quando for o momento certo. E tudo isso tem que ser feito com afeto, entrega, desejo, confiança e verdade. Do contrário, o amor seca e morre.

Mas e se a gente fizer tudo isso direitinho, será que dá certo? Não temos como saber se não tentarmos! Não existe fórmula para que um relacionamento dure no tempo. Mas que é importante deixar pequenos detalhes de lado de vez em quando e saber conviver com as diferenças, ah, isso é. Por outro lado, voltando à analogia, também é preciso verificar se o tipo de solo e o clima locais são adequados ao tipo de planta que estamos cultivando. Forçar algo que não floresce naturalmente pode ser frustrante.  Mas isso, só o tempo e a experiência dirão.

É preciso, antes de tudo, querer amar. Desejar tanto que o relacionamento viva, que, em alguns momentos, temos que abrir mão de outras coisas por ele. Sem perder a individualidade, claro. Aliás, para que um relacionamento dê bons frutos, manter a individualidade é essencial. E isso não quer dizer que devemos ser egoístas, apenas entender que o “nós” é formado por dois “eus” que têm opiniões, desejos e vontades próprias.

E por que as relações estão descartáveis?

Porque queremos tudo pronto e tudo para ontem. Queremos que a pessoa certa e a relação ideal caiam do céu e, como se não bastasse, não nos deem trabalho. Pelo contrário, queremos que o relacionamento e o parceiro atendam aos nossos desejos e que nos façam sentir sempre bem. Como se a vida fosse uma propaganda de margarina, e tudo fosse sempre fácil e maravilhoso. Esses chavões podem ficar bem na poesia, no cinema e nas letras de músicas, mas a vida real é fogo, é ajuste, é desavença. Discordar faz parte de crescer juntos. No entanto, muitas vezes, comportamo-nos como crianças mimadas que não podem ouvir um “não” ou passar por um perrengue, que já pulam fora. “Isso não é para mim”! Claro que é para você. É para todo mundo. Se há amor, respeito, carinho e desejo, vale a pena. Mesmo não sendo perfeito, mesmo tendo que lapidar, mesmo trazendo sofrimento de vez em quando. A vida não é só feita de alegrias, certo?

Relações descartáveis são fruto de um tempo em que estamos, na verdade, morrendo de medo de: 1) mostrar que não somos perfeitas e 2) encarar as imperfeições do outro. Ninguém é perfeito. E, por isso, as relações humanas também não o são. O fato é que desejar ter alguém é bem diferente de desejar construir um relacionamento. O que você quer, de verdade? Está pronta para aprofundar-se na arte de conhecer ao outro e a si mesma? Está pronta para viver a realidade de um relacionamento duradouro? Tenha foco, fé, paciência e se jogue!

relacionamento descartável.jpg

Amor-próprio para quê?

Investir em amor-próprio é fundamental. Só não pode usar esse processo como desculpa para se afastar das pessoas ou evitar se relacionar. O crescimento pessoal acontece quando somos capazes de usar nossos potenciais exatamente quando nos relacionamos. Já pensou nisso?

Falamos muito em amor-próprio aqui no Blog das Amarildas. Sim, tem que ter! Amor-próprio é essencial para sermos felizes e construirmos bons relacionamentos. E só é possível através do autoconhecimento e da valorização das nossas próprias potencialidades. Quando não nos amamos o suficiente, além de passarmos a vida mendigando pelo amor dos outros, nunca seremos capazes de amar alguém verdadeiramente.

No entanto, esses dias recebi um questionamento de uma leitora que me intrigou bastante e resultou neste texto: será que não estamos usando o amor-próprio como desculpa para ficar sozinhas e evitar relacionamentos amorosos? O raciocínio é o seguinte: “Eu me amo e estou muito bem sozinha, portanto não preciso de ninguém”. Você também pensa assim? Pensar dessa forma só mostra que ainda temos muito a aprender.

É verdade que o amor-próprio parte da compreensão e da aceitação plena de quem somos, que resulta em bem-estar e felicidade. E aí, para algumas de nós, pode bater aquela preguicinha de mexer em time que está ganhando, né? O que a gente esquece é que é justamente o amor-próprio que nos impulsiona a amar o próximo. E que são os relacionamentos que nos permitem crescer, amadurecer e evoluir.  

É nos relacionando que realmente confrontamos nossos potenciais e nossas habilidades descobertas no processo do autoconhecimento e da autovalorização. É na convivência que testamos nossa resiliência, nossa coragem, nossa amabilidade, nosso acolhimento, nossa empatia dentre tantos outros atributos. Sabe quando temos uma prova na escola, para ver se aprendemos a lição? Então, se relacionar é exatamente isso: é uma forma de comprovarmos se somos mesmo capazes de amar o outro e ainda manter a nossa individualidade, de respeitá-lo e aceitá-lo sem perder o amor-próprio, de socializar sem abrir mão dos nossos próprios valores.

Como já falamos aqui diversas vezes: a gente só aprende a se relacionar, se relacionando! Vivemos em sociedade, não nascemos para ser sozinhas. Muito pelo contrário, o desejo de unir-se a alguém é uma necessidade natural dos seres humanos. Fugir da interação ou do convívio com os outros pode significar uma certa forma de demonstrar orgulho ou mesmo medo – de não ser correspondida, de reviver traumas do passado, de ser traída e, principalmente, de se machucar.

Afinal, amor-próprio para quê?

Amor-próprio exatamente para sermos capazes de, além das nossas próprias barreiras e fronteiras, continuar sendo nós mesmas! Amor-próprio para sermos bem-sucedidas no amor a dois. Amor-próprio para não dependermos do amor que vem de fora. Não para passar a ideia de que somos autossuficientes. Fortalecer nosso amor-próprio não é desculpa para ficar sozinha, pelo contrário, é um meio de seguir nos relacionamentos humanos sem deixar de ser nossa melhor versão. Portanto, saia da sua zona de conforto! Estar sozinha e feliz é muito bom, mas estar com alguém pode ser ainda melhor! Não se utilize do amor-próprio como uma desculpa para evitar relacionamentos, mas sim, enxergue-o como uma espécie de capacitação para ser feliz em convívio.

Amor-próprio.jpg

Quem você vê quando olha para seu parceiro?

Para ter um relacionamento saudável, é preciso respeitar as individualidades. Ampliar o olhar para realmente (re)conhecer e enxergar o parceiro é fundamental nesse processo.

Você enxerga seu parceiro como ele realmente é? Ou será que projeta nele aquilo que gostaria que ele fosse? Quem sabe até você o veja de acordo com aquilo que VOCÊ é, e não como ele é de fato. Parece confuso? Mas essa reflexão é muito importante no processo da construção de um relacionamento amoroso saudável. Para que uma relação cresça sobre bases sólidas, é preciso, antes de tudo, que ambos estejam dispostos a enxergar e receber o outro exatamente como é. Acontece que, muitas vezes, a gente se esquece disso. Passamos tanto tempo imaginando e fantasiando sobre o parceiro ideal que, quando alguém aparece, acabamos nos perdendo em nossas próprias ideias e necessidades – sem nem olhar para as dele.

Um dos maiores erros acontece quando entramos numa relação de cabeça levando nossas expectativas e carências conosco e esquecendo que do outro lado existe outra pessoa – que nem sempre irá supri-las. Aquele com quem nos relacionamos também é um ser humano que carrega seus próprios desejos, expectativas e ambições. E se ambos agirem de forma a concretizar suas próprias idealizações, grandes conflitos podem acontecer. Quando focamos apenas naquilo que sonhamos/criamos/esperamos por tanto tempo, colocamos o outro numa posição passiva e bastante incômoda. Relacionamentos amorosos são processos de construção de uma vida a dois e de pareamento de desejos e objetivos. Do contrário, ambos se perdem em suas fantasias e ilusões e acabam se frustrando.

Há quem diga que o amor de verdade é altruísta e olha primeiro para o outro e depois para si mesmo. Eu acredito que para que uma relação seja equilibrada, é preciso que ambos sejam contemplados: em seus desejos, suas expectativas, seus valores, seus objetivos, enfim, em seu modo de ser em geral. É claro que haverá algumas divergências, pois ninguém é igual a ninguém. O que importa é se é possível aceitá-las e lidar com elas de maneira saudável, sem grandes sacrifícios.

Certamente relacionamentos a dois pedem que a gente ceda ou abra mão de algo em prol da alegria do outro. Esta também é uma das muitas formas de amar: quando nos regozijamos com a felicidade do ser amado. Mas fazer disso uma regra pode levar à negligência das nossas próprias necessidades. Por isso o equilíbrio entre o dar e receber, o enxergar e ser enxergado é tão importante. E o desequilíbrio é muito comum em relações que começam de forma “errada”.

Mas, o que é começar de forma “errada”? É se envolver quando não nos sentimos inteiras, quando queremos apenas preencher nosso vazio, quando esperamos que o outro nos forneça o que não conseguimos por conta própria.  Quando entramos numa relação esperando que o outro tape os buracos da nossa alma e da nossa autoestima, satisfaça nossos desejos e corresponda às nossas expectativas, buscamos que ele nos sirva. Mas amor não é serventia, amor é complementariedade.

Observe-se e perceba se você está inteira antes de entrar de cabeça em um relacionamento. Então, fique atenta ao fato de continuar se sentindo inteira ao longo da relação e de conseguir entender que seu parceiro é outra pessoa, dissociada de você – que tem suas próprias necessidades e desejos, e que não está com você apenas para preencher seu vazio ou suprir suas expectativas e idealizações, muito menos para substituir alguém que já não faz parte da sua vida. Olhe para ele e veja exatamente quem ele é. Abra seus olhos e seu coração para enxergá-lo. Tudo isso tudo posto, acredite, suas chances de construir um relacionamento em bases sólidas e felizes são grandes!

quem vc vê.jpg

Faça ao outro o que gostaria que fizessem com você. Será?

Quando nos apaixonamos, corremos um grande risco de esquecer algo muito importante: um casal é formado de duas pessoas com gostos, costumes e histórias de vida totalmente diferentes. Julgar o outro pela nossa própria ótica pode ser um dos maiores erros das relações.

Desde crianças somos ensinadas a fazer aos outros somente aquilo que a gente gostaria que fizessem com a gente, certo? Esta, apesar de ser uma boa base para relacionamentos sociais equilibrados, pode ser uma pegadinha quando se trata de relacionamentos amorosos. E eu explico por quê. Sim, tratar o outro com respeito, verdade, honrando sua individualidade e abraçando suas sombras é a melhor forma de demonstrar como desejamos ser tratadas. No entanto, quando usamos essa máxima com segundas intenções, ou seja, com o interesse de receber algo em troca, corremos o risco de nos frustrar.

Muitas de nós, ao invés de falar abertamente o que querem, escolhem dar “dicas” ou deixar “pistas” sobre como desejam que a relação se desenvolva, aplicando exatamente o princípio do “faça ao outro o que gostaria que fizessem com você”. Ao fazer isso, deixamos de levar em conta algo simples: não somos iguais! Um casal é formado de duas pessoas que têm não apenas gostos e preferências muito particulares, como histórias de vida e costumes totalmente diferentes. E isso faz com que cada uma (re) aja de forma diferente na vida a dois.

Se você presenteia seu parceiro com flores porque deseja que ele também o faça, mas não fala isso diretamente, pode ser que ele não corresponda ao seu desejo. E isso porque: 1) nem sempre a gente “paga na mesma moeda” tudo aquilo que recebe, 2) talvez ele nem goste de receber flores e, como aprendeu a fazer com os outros apenas o que gostaria que fizessem com ele, não retribuirá seu presente da mesma forma ou, 3) quem sabe, o ato de oferecer flores a alguém acione nele algumas lembranças não tão positivas do passado, por exemplo. Dá para entender como isso tudo pode virar uma imensa confusão quando optamos por “dar dicas” ao invés de falar diretamente o que desejamos?

Mas, então, como agir?

Quando agimos com respeito, verdade e amorosidade, damos o exemplo, “ensinamos” pelo nosso jeito de ser. Até aí, perfeito. Mas, quando a gente QUER efetivamente que o outro faça algo, o melhor a fazer é comunicar de forma aberta e direta – assim, somos muito mais assertivas e evitamos mal-entendidos e frustrações. Diga a ele que gosta de receber flores! Porque pode ser que ele ainda não tenha consciência de tudo aquilo que te faz feliz. Diga a ele que quando ele fica quieto demais por muito tempo, sem explicar os motivos, você se sente insegura. Porque pode ser que esses momentos de introspecção sejam especiais para ele e simplesmente não tenham nada a ver com você.

Fazer ao outro o que desejamos que façam com a gente significa, inclusive, respeitar o fato de que ele não vai adivinhar nossos desejos. Além disso, cada um cresceu em um ambiente diferente, com hábitos familiares distintos e, muitas vezes, até opostos. Portanto, nem tudo aquilo que nos parece óbvio é óbvio para os outros. Para que o relacionamento flua sem grandes desentendimentos, é preciso diálogo, confiança mútua e o entendimento de que somos pessoas completas e únicas, mas distintas – unidas pelo objetivo de construir uma vida juntos. Então, seja DIRETA, objetiva e verdadeira ao se comunicar com seu parceiro. Isso é sinal de maturidade. Deixe os joguinhos de sedução e de comunicação no passado!

faça ao outro.jpg

Viva relacionamentos reais!

Assim como as pessoas, os relacionamentos amorosos são sempre únicos e incomparáveis, independentemente de como sejam. Então, precisamos sentir o que nos parece adequado para a vida a dois e parar de fazer comparações com outros casais! A verdade é que relacionamento bom é aquele que é real.

Existe jeito certo de se relacionar? Já falamos inúmeras vezes sobre não existir regras ou receitas para se construir e manter um bom relacionamento. No entanto, muitas de nós ainda têm o hábito de comparar seus relacionamentos com todos os outros que veem por aí: sejam de amigas, de parentes e até mesmo de famosos! Primeira observação: não existe uma fórmula, um jeito certo de se relacionar. Segunda observação: quem está de fora nunca tem a verdadeira dimensão do que se passa dentro de um relacionamento, especialmente daqueles que só acompanhamos pelas redes sociais. Então, não se engane. Não existe relação perfeita, nem casal perfeito. Vivemos aquilo que de alguma forma atraímos e de que precisamos para aprender, amadurecer e evoluir.

É verdade que os meios de comunicação social nos bombardeiam o tempo todo com exemplos de relacionamentos perfeitos. Mas quando alimentamos expectativas desproporcionais e acreditamos em modelos irreais de comportamento, a chance de nos decepcionarmos é enorme e os fantasmas emocionais passam a nos rondar mais de perto. Desconfiança, ciúme, insegurança, muitos desses sentimentos poderiam ser banidos da nossa vida se deixássemos de olhar a “grama da casa ao lado”. A tendência é sempre achar que a nossa não é tão verde.

Quando olhamos de fora para os casais com os quais não temos muito contato, tudo parece melhor, mais bonito e até mais romântico. Esse é um olhar superficial, de uma imagem que muitas de nós procuram passar para o meio social: a de  não ter problemas, principalmente conjugais. Estamos ainda engatinhando quando o assunto é viver a nossa verdade. Por outro lado, normalmente conhecemos muito bem os desafios, os perrengues e as crises pelas quais nossa melhor amiga enfrenta com o parceiro, não é verdade? Pois a intimidade entre amigas faz com que sejamos mais reais e mais verdadeiras umas com as outras.

E assim é a vida real, assim são os seres humanos reais e os relacionamentos reais: repletos de dificuldades, momentos de tensão, crises existenciais. Mas não por isso deixam de ser belos. O importante é que sejam reais e verdadeiros. Há casais que moram em casas separadas ou que dormem em quartos separados. Há aqueles que vivem grudados, inclusive no trabalho. Há casais que fazem tudo juntos e os que têm atividades totalmente diferentes. E todos eles podem ser felizes quando entendem que, independentemente do “como”, é a vontade de compartilhar a vida que tem que falar mais alto. Por isso, não se preocupe tanto com modelos de relacionamentos que existem por aí. Viva a sua verdade, individual e a dois. Aposte no sentimento, no romance, nas coisas que unem vocês. O resto é irrelevante.

Por isso é tão importante nos conhecermos, tão fundamental alimentar nossos valores e criar bases sólidas para nossa segurança emocional. Quando perdemos o medo de ser quem somos e o medo de ser julgadas, tudo fica mais leve e se relacionar se torna muito mais fácil. O que faz você feliz? De que jeito você quer viver um relacionamento a dois? Você quer seu relacionamento seja sinônimo de perfeição ou de realidade? As respostas a essas perguntas são fundamentais para você ter a certeza de que vive ou não vive um bom relacionamento. E elas estão dentro de você.

relacionamentos reais.jpg

Tempo livre em períodos diferentes? Aproveite para alimentar sua alma!

Quem está em um relacionamento normalmente quer fazer tudo junto, certo? Mas manter a individualidade pode ser muito favorável para a relação, inclusive na hora do lazer! Então, se você vai tirar férias em uma época diferente do seu parceiro, não sofra, aproveite!

Chegou a época das férias de inverno e tudo que vocês querem é curtir juntos, não é mesmo? Mas, e se não der? Muita calma nessa hora – não precisa desistir de viajar porque o parceiro não pode ir. Essa pode ser, inclusive, uma ótima oportunidade para exercitar sua independência emocional e aproveitar para alimentar sua alma com atividades que falem diretamente ao seu coração. Abrir mão de algo que se quer muito em detrimento da relação não é positivo. Inclusive, isso vale sempre, não apenas na época das férias. Um relacionamento saudável e equilibrado é feito de duas pessoas inteiras que têm seus sonhos, suas paixões e que desejam compartilhar o máximo de momentos, mas sem perder e individualidade. O problema começa quando um não sabe viver sem o outro e acaba se esquecendo de seus próprios sonhos e vontades ou optando por deixá-los de lado.

Muitas vezes, temos desejos ou gostos diferentes dos do nosso parceiro (assim como ele também pode ter) e está tudo bem! Imagine que você ama praia e quer muito conhecer o Caribe, mas que seu companheiro prefere visitar uma estação de esqui. No caso de terem que viajar em épocas diferentes, dá para cada um fazer o que gosta, e ainda aproveitar a companhia de família e amigos, se for o caso. Nada impede que a viagem seguinte seja a dois, mas não dá para deixar de lado algo que se quer e pode fazer porque a sociedade estipula que é preciso fazer junto. Acontece que, muitas vezes, vivemos sob algumas regras criadas com o tempo e que acabaram se tornando verdades absolutas, quando não é bem assim. Cada casal tem a sua verdade, já falamos sobre isso aqui (https://bit.ly/2LqVTwT).

O importante é entender o que funciona para cada um e o que faz os dois felizes. Pessoas felizes, cheias de sonhos e emocionalmente independentes constroem bons relacionamentos, e o contrário também é verdadeiro: pessoas infelizes, sem sonhos e dependentes vivem relações doentes. Portanto, se você quer muito fazer algo que não seja possível para o seu parceiro ou de que ele não goste, não encare a situação como um problema, mas como uma oportunidade. Não sofra, aproveite! Transforme esses momentos em oportunidades de se cuidar, de nutrir a própria alma, de se dar o direito de escolha e de fazer o que você realmente gosta. Certamente você se sentirá renovada. E o relacionamento só tem a ganhar.

ferias.jpg