Talvez o que você sente não seja amor

Quantas vezes acabamos vivendo relações que duram por anos, mas que são baseadas em diversos sentimentos, menos em amor? Como você avalia os sentimentos que direcionam e mantêm suas relações? E aí, será que é amor?

 

Ah, o amor! Esse sentimento tão romantizado, tão desejado e tão distorcido. Quantas vezes será que você já amou de verdade? O que é o amor em uma relação de casal? Há quem viva por anos com alguém, e descubra, no fim da vida, que não amou de verdade. Não deve haver arrependimento maior do que não ter vivido um sentimento de verdade, não é mesmo? Então, é preciso observar se as suas relações têm te permitido amar e ser amada.

Quando estamos com alguém, há muito envolvido: experiências passadas, traumas, crenças, expectativas, opinião familiar, status social. Dos dois. Saber se o amor está presente, no meio disso tudo, pode ser uma tarefa um tanto complexa, é verdade. Principalmente quando começamos um relacionamento e nos vemos envoltos pela paixão, pelo desejo, pelas fantasias – aí, é ainda mais difícil saber. Mas, com o tempo, é possível perceber e identificar o que realmente faz parte da relação.

Tem gente que acaba permanecendo em uma relação, depois que a paixão passa, por apego ou carência. A paixão pode, inclusive, ser fruto desses sentimentos. Quando estamos muito carentes, costumamos aceitar o que vem, nos apaixonamos pela primeira pessoa que parece preencher os requisitos básicos. Depois, temos medo de estar novamente sozinhas, e vamos deixando a relação acontecer. Quem nunca?

Tem, também, gente que opta por ir levando uma relação porque o outro é super amoroso. Muitas vezes, quando gostamos do jeito que somos tratadas, surge o medo de nos distanciarmos dessa proteção. Acreditamos que, talvez, jamais encontraremos alguém que nos ame tanto assim e nos trate tão bem. Quem se identifica?

Só que, em nenhuma dessas situações há amor, percebe? Ao menos, da nossa parte. E nem sempre temos consciência disso e do que realmente rege as nossas relações, até começarmos efetivamente a olhar para os nossos sentimentos. Fazer essa avaliação faz parte de se conhecer, de se entender, de buscar mais saúde emocional, para pode viver relacionamentos mais assertivos e harmoniosos.

É amor ou vingança?

Muitas vezes, quem sai de um relacionamento de forma conturbada, em que se sentiu traída ou trocada, por exemplo, pode engatar outra relação e permanecer nela pelo pior dos motivos: vingança. Para evitar ficar sozinha, para que o ex a veja “feliz”, muita gente segue em uma parceria que nem de perto é a ideal. Será que vale a pena?

Ou então, há quem fique com alguém por pura conveniência...  para agradar a família, para desfilar na frente das amigas, para se aproveitar das boas condições financeiras do outro, para causar ciúme em outro alguém. Tudo errado. E o amor, fica onde? Quando amamos, nada disso importa! Sei que parece clichê, mas é assim mesmo!

Diversas vezes já atendi mulheres que não faziam ideia do porquê mantinham suas relações. Ou, pior, não conseguiam responder de maneira espontânea e verdadeira à simples pergunta: “Você o ama?”. Tem gente que até diz que sim, mas se justifica com motivos que nada têm a ver com o amor.

Lembre-se: o amor é fluido, é fácil, é simples, acontece. Não requer grandes esforços e mais: não compara, não olha conta bancária, não vem cheio de estratégias, não é previsível e não vem com manual. Se tem respeito, se é recíproco, se evolui e faz com que os dois cresçam e amadureçam, aí, sim, há grandes chances de ser amor. Fora isso, pode ser um monte de fantasia e de minhocas da cabeça ou até do seu coração. Fuja disso!

Tenha clareza do que realmente você sente por seu parceiro e o que move suas relações. Será que é mesmo amor? Não se culpe se sua resposta for outra. Mas faça a sua parte. Olhe para dentro de si e busque as respostas e os sentimentos que direcionam a sua vida e os seus relacionamentos. Faça isso enquanto é tempo. O que importa, no final das contas, é que seja de verdade. Não desperdice sua vida vivendo pela metade.

talvez nao seja amor.jpg

Carência se cura com amigas

Tem se sentido sozinha, mas quer fugir de relacionamentos ruins? Procure suas amigas. É nelas que você acha força para encontrar sua verdadeira essência e é com elas que você vai contar quando tudo mais falhar.

Ninguém constrói um bom relacionamento em cima de carência, por isso, procure suas amigas! Parece algo tão simples de se dizer, mas é a mais pura verdade. São suas amigas que vão lhe mostrar suas verdadeiras qualidades, apontar seus erros, acolher suas inseguranças e propor novas formas de ver a vida. Não um homem. É com as amigas que podemos rir, chorar e desabafar. De onde tiramos a ideia de que homens poderiam fazer isso melhor do que elas?

É claro que é maravilhoso quando estamos num relacionamento feliz e saudável. Nossos parceiros são grandes mestres, com os quais temos sempre muito o que aprender. No entanto, quando se trata de carência – aquela sensação de vazio e solidão – o remédio são as amigas, pois só elas são capazes de nos devolver aquilo de que, na verdade, estamos sentindo falta: nós mesmas.

Um dos principais erros, talvez o maior, que cometemos ao nos relacionarmos é a confusão da carência com outros sentimentos, especialmente o amor. Assim, movidas pelo desejo de preencher tal vazio acabamos nos envolvemos com pessoas que nada têm a ver com a gente e com o que realmente ansiamos. Isto porque a carência nos cega, nos priva de sentidos básicos de sobrevivência amorosa, como o de detectar se a pessoa está sendo respeitosa e verdadeira.

Por isso, reforço: quando estiver carente, procure suas amigas! Não um parceiro. Uma simples conversa com a melhor amiga pode resolver muita coisa e nos salvar do sofrimento e da dependência de um relacionamento baseado em impulsividade, ciúme e medo. Há mulheres que vivem de relacionamento em relacionamento, de paixões relâmpago, nas quais se entregam antes da hora, fantasiam e sofrem a cada fim, apenas por se deixarem levar pela carência.

Basta uma ligação

Até mesmo a mulher mais segura do mundo passa por momentos de incerteza, de insegurança e de carência. Estamos sempre em evolução, aprendendo sobre o outro e sobre nós mesmas e podemos sofrer alguns deslizes no caminho. Nessas horas, o que mais precisamos, para não cair novamente no erro de fantasiar com a ideia de um parceiro ou uma relação possam ser a solução, é contar com as amigas. Quando sentir aquele vazio, aquela “bad”, ligue para uma amiga. Converse, ria, marque um encontro. Preencha-se daquilo que é realmente seu: suas amizades. E faça isso antes de embarcar em uma relação impulsionada pela carência, ou poderá ser tarde. Teste e conte para nós como foi!

 

carência amigas.jpg