Carência se cura com amigas

Tem se sentido sozinha, mas quer fugir de relacionamentos ruins? Procure suas amigas. É nelas que você acha força para encontrar sua verdadeira essência e é com elas que você vai contar quando tudo mais falhar.

Ninguém constrói um bom relacionamento em cima de carência, por isso, procure suas amigas! Parece algo tão simples de se dizer, mas é a mais pura verdade. São suas amigas que vão lhe mostrar suas verdadeiras qualidades, apontar seus erros, acolher suas inseguranças e propor novas formas de ver a vida. Não um homem. É com as amigas que podemos rir, chorar e desabafar. De onde tiramos a ideia de que homens poderiam fazer isso melhor do que elas?

É claro que é maravilhoso quando estamos num relacionamento feliz e saudável. Nossos parceiros são grandes mestres, com os quais temos sempre muito o que aprender. No entanto, quando se trata de carência – aquela sensação de vazio e solidão – o remédio são as amigas, pois só elas são capazes de nos devolver aquilo de que, na verdade, estamos sentindo falta: nós mesmas.

Um dos principais erros, talvez o maior, que cometemos ao nos relacionarmos é a confusão da carência com outros sentimentos, especialmente o amor. Assim, movidas pelo desejo de preencher tal vazio acabamos nos envolvemos com pessoas que nada têm a ver com a gente e com o que realmente ansiamos. Isto porque a carência nos cega, nos priva de sentidos básicos de sobrevivência amorosa, como o de detectar se a pessoa está sendo respeitosa e verdadeira.

Por isso, reforço: quando estiver carente, procure suas amigas! Não um parceiro. Uma simples conversa com a melhor amiga pode resolver muita coisa e nos salvar do sofrimento e da dependência de um relacionamento baseado em impulsividade, ciúme e medo. Há mulheres que vivem de relacionamento em relacionamento, de paixões relâmpago, nas quais se entregam antes da hora, fantasiam e sofrem a cada fim, apenas por se deixarem levar pela carência.

Basta uma ligação

Até mesmo a mulher mais segura do mundo passa por momentos de incerteza, de insegurança e de carência. Estamos sempre em evolução, aprendendo sobre o outro e sobre nós mesmas e podemos sofrer alguns deslizes no caminho. Nessas horas, o que mais precisamos, para não cair novamente no erro de fantasiar com a ideia de um parceiro ou uma relação possam ser a solução, é contar com as amigas. Quando sentir aquele vazio, aquela “bad”, ligue para uma amiga. Converse, ria, marque um encontro. Preencha-se daquilo que é realmente seu: suas amizades. E faça isso antes de embarcar em uma relação impulsionada pela carência, ou poderá ser tarde. Teste e conte para nós como foi!

 

carência amigas.jpg

Vamos falar de Sororidade

Você sabe o que é sororidade? É um assunto importante e que precisa urgentemente fazer parte do nosso dia a dia. Entenda o porquê.

Nascido sob a ótica do feminismo, o conceito de sororidade tem como princípio básico a união entre as mulheres. O objetivo é a irmandade baseada na empatia e no companheirismo para que possamos de uma vez por todas parar de nos enxergar como rivais e compreender o poder que temos como aliadas.

Somos levadas, desde cedo, a competir entre nós. Apesar de muitas vezes agirmos de maneira competitiva inconscientemente, desde novinhas, a maioria de nós quer ser a mais bonita, ter o corpo mais perfeito, usar as roupas mais desejadas e enquadrar-se no padrão considerado ideal pelos homens e pela sociedade como um todo.

Provavelmente isso aconteça porque somos muito mais numerosas do que homens no planeta. E, pensando sob o ponto de vista da maioria de nós, mulheres, se para nos sentirmos mais felizes e seguras precisamos estar em um relacionamento amoroso, claramente tal felicidade e segurança não é possível para todas. Portanto, competir umas com as outras parece ser um modo natural de garantir a própria segurança e estabilidade. Por isso, ao invés de amigas e companheiras, nos enxergamos como inimigas eternas.

Mas não é só isso. Quantas mulheres você já viu reproduzindo chavões e comportamentos machistas? Quantas vezes você mesma não se pegou diminuindo ou desempoderando outra mulher?  Quem de nós nunca julgou outras mulheres pela forma como se vestiam, falavam ou se relacionavam? Muitas vezes, somos nós mesmas a reforçar estereótipos femininos como o da mulher neurótica, burra, chorona, etc.

Esquecemo-nos do fato de que quando difamamos uma mulher, acabamos atingindo a nós mesmas. Provavelmente agimos dessa forma porque somos impelidas, levadas inconscientemente por uma construção cultural. Mas a sororidade está aí para provocar a discussão e nos mostrar que há um novo caminho, o caminho da irmandade, do compartilhamento, da compreensão entre as mulheres para mudar a realidade manipulada pela cultura social. Afinal, quem perde com tudo isso somos nós. É tempo de nos fortalecermos.

Os caminhos da Sororidade

A irmandade entre as mulheres nos faz mais justas e fortes, constrói laços mais verdadeiros e permite quebrarmos tabus e “verdades” que já não nos servem mais. Mas isso só vai acontecer quando nós mesmas nos dermos conta da importância da união. Não é fácil quebrar construções culturais construídas durante séculos e até milênios. Mas, aos poucos, podemos começar a criar um senso crítico sobre aquilo que ouvimos e, especialmente, sobre o que compartilhamos e reproduzimos, ao falar de outras mulheres, por exemplo.

Nossos relacionamentos não vão mudar enquanto não mudarmos nossa forma de agir e pensar. E o conceito de sororidade proporciona mais empatia, solidariedade e amizade entre as mulheres para que nossa sociedade seja mais equilibrada. Que tal fazer um exercício de se auto-observar quanto a como você se comporta com relação à outras mulheres? E o que você tem ensinado sobre isso às suas filhas, sobrinhas e afilhadas? Será que estamos sendo unidas ou estamos ajudando o machismo e a rivalidade a seguirem sendo os únicos caminhos?

sororidade irmandade.jpg