O Amor e as Terapias

Quem aí depois de uma decepção amorosa já achou que não sabe nada sobre o amor? E quem já jurou que jamais precisaria de ajuda com relacionamentos? Mesmo que a gente transite em o 8 e o 80, ambos os pensamentos não passam de ilusão. Acredite, buscar terapias pode ajudar você a melhorar sua forma de lidar com o amor.

Talvez você já tenha se questionado: será que as terapias podem nos ajudar a compreender e experienciar melhor o amor? Pois eu acredito que sim, que as terapias devem ser consideradas por qualquer pessoa que almeja melhorar seus relacionamentos. Posso dizer que, certamente, muitos dos problemas que enfrentei na área dos relacionamentos teriam se resolvido de maneira mais fácil se eu tivesse, antes, as informações que conquistei ao desenvolver o trabalho de terapia emocional.

Imagine o seguinte panorama: você está confusa quanto a permanecer ou não em uma relação. Ora você acredita que o problema é você, ora o outro, ora os dois. Às vezes, põe a culpa no fato de já ter passado por muitas decepções, outras, acha que lê muito sobre o assunto e que chegou a hora de mudar algo. Aí, você fica mais confusa ainda quando pede a opinião da sua família e das amigas. Em alguns momentos, você se questiona se está mesmo pronta para viver um grande amor, em outros, acredita plenamente que sim, mas que o atual não é o parceiro ideal para isso... e por aí vai.

Quando se trata de relacionamentos amorosos, há, realmente, muitos pontos a serem considerados. E não há uma fórmula infalível, pois o ser humano está longe de ser uma ciência exata. Somos seres extremamente complexos e assim também são as nossas relações. É justamente por isso que o apoio de alguém de fora que não esteja envolvido com as suas questões pessoais e que tenha experiência e conhecimento suficientes para lhe ajudar a colocar alguns “pingos nos is” pode ser tão importante.

Se você, como a maioria das mulheres, vem se confrontando com dilemas e dificuldade ao relacionar-se, tem dúvidas quanto a como agir e se posicionar em um relacionamento, ou enfrenta medos como: de ficar sozinha, da intimidade, da rejeição ou do abandono...   Buscar ajuda terapêutica pode ser a chave para compreender melhor seus próprios modos de pensar e de agir – que atraem e repulsam situações e pessoas.

Negar que precisamos de ajuda é sempre uma fuga – que nos faz permanecer no mesmo lugar, adiando uma ruptura que pode ser muito benéfica, ou um ajuste de contas que pode resultar em mais paz e alegria. Além disso, o ponto mais importante é: a terapia faz crescer em nós o melhor e o mais belo dos amores: aquele que sentimos por nós mesmas!

Você reconhece que precisa se conhecer melhor e melhorar seus relacionamentos? Não perca mais tempo! Clique aqui (http://bit.ly/2n08eKT) e saiba mais sobre o PAR – o Programa Amarildas de Relacionamentos – em 6 sessões individuais.

mulher amor.jpg

Orientação emocional – por que precisamos de ajuda?

Reconhecer os próprios anseios, saber separar os próprios valores, desejos e sentimentos dos do outro, respeitar os próprios limites e compreender até aonde vai nossa capacidade de doação são passos para a libertação da alma. E são eles que nos permitem traçar caminhos mais assertivos, maduros e satisfatórios em nossos relacionamentos.

Embora a guiança e as respostas estejam sempre dentro de nós, por que será que é tão difícil sair de certos relacionamentos ou de estados de desesperança e melancolia sozinha? A questão é que muitas vezes não conseguimos identificar onde está o problema. Sentimentos, sensações, medos e desejos também vivem dentro de nós de maneira confusa. Mas quando temos a oportunidade de expressar o que pensamos, o que sentimos, o que tememos, o que nos incomoda e o que desejamos, em terapias, por exemplo, compreendemos mais claramente o que se passa.

thumbnail_5-dicas.jpg

Por mais fortes que sejamos, às vezes desmoronamos na fragilidade do nosso sofrimento. E tudo bem. O conforto pode vir quando alguém, de forma verdadeira e com a intenção de ouvir e ajudar, nos pergunta: “como você está?”. A terapia possibilita a abertura do coração. Daí a importância de realizar um processo terapêutico individualmente ou em grupo e de participar de encontros em que reconheçamos, nos outros, nossas próprias incertezas e frustrações. Não é fraqueza procurar ajuda, é sinal de fortaleza, de ânimo e de coragem para conquistar novos patamares emocionais. Vamos juntas?